Time Brasil de Adestramento nos Jogos Equestres Mundiais tem três representantes da SHP

A Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) definiu o Time Brasil de Adestramento para os Jogos Equestres Mundiais 2018 entre 11 e 23/9, em Tryon, nos EUA, depois da realização de cinco qualificativas no Brasil e observar outras cinco na Europa. Habilitaram-se a vaga na equipe para o Mundial os conjuntos que atingiram o índice de qualificação técnica exigido pela Federação Equestre Internacional (FEI) que é de 66% na nota média final e de um juiz nível 5*, em no mínimo dois Grand Prix em CDIs – Concurso de Dressage Internacional de 3* a 5*.

Em 2017 foram realizadas três qualificativas – junho e outubro na Sociedade Hípica Paulista e em novembro na Sociedade Hípica Brasileira, no Rio de Janeiro. e outras duas em 2018 – abril no Centro Hípico de Tatuí/SP e em julho na Sociedade Hípica Paulista. O único conjunto que se qualificou na Europa foi João Victor Marcari Oliva/Xiripiti TVF. A chefe de equipe é Sandra Smith de Oliveira Martins, diretora de Adestramento da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH). A equipe de Adestramento Paraequestre também está oficialmente definida.

Giovana Pass monta Zíngaro de Lyw (Lusitano)

Caçula do time de Adestramento nas Olimpíadas do Rio 2016, a amazona sócia da SHP Giovana Pass, 20 anos, de Susano (SP), tem representado o Brasil em concursos nacionais e internacionais em Portugal e Espanha, e pela segunda vez integra a equipe brasileira. Giovana Pass/Zingaro de Lyw conquistou vaga no time depois de registrar três índices, dois deles em CDIs3* na SHP (junho e outubro/2017) e no CDI3* do 3º IRDM em Tatuí/SP 2018).

Giovana e Zingaro de Lyw em ação na seletiva de abril no interior paulista; Wilson Jr

Pedro Tavares de Almeida monta Aoleo (Lusitano)

É a terceira vez que Pedro,  24, sócio da SHP  integra a equipe brasileira de Adestramento. Estreou nos Jogos Equestres Mundiais da Normandia, na França, em 2014; depois, nas Olimpíadas do Rio 2016 e volta ao Mundial em 2018.Pedro Almeida/Aoleo soma dois índices, registrados em 2018: no CDI3* do 3º IRDM em Tatuí (SP), em abril, e no CDI3* da SHP em julho.

Pedro Almeida com Aoleo; Erika Costa

Leandro Aparecido Silva monta Dicaprio (Oldenburger)

Matogrossense de Cáceres radicado em Ibiúna (SP), o cavaleiro de 42 anos representou o Brasil nas Olimpíadas de Pequim 2008, e em três Pan-americanos: na equipe medalha de bronze em Toronto 2015, onde ficou em 6º lugar no individual; nos Jogos de Guadalajara 2011 (4º por equipe) e em Santo Domingo 2003. Integrou o time medalha de ouro no Sul-americano do Chile 2014, onde foi bronze individual. Leandro é cavaleiro profissional e treina a SHP. Sua montaria Di Caprio é de propriedade de Patrícia Villela, sócia da SHP.

Leandro Silva com Dicaprio em ação  na SHP ; Erika Costa

Leandro Silva/Dicaprio registrou três índices, dois nos CDIs3* da Sociedade Hípica Paulista (junho/2017 e julho/2018 e na Sociedade Hípica Brasileira, no Rio de Janeiro, em novembro de 2017).

João Victor Marcari Oliva monta Xiripiti TVF (Lusitano)

O paulistano de 22 anos treina na Alemanha.  Foi o melhor resultado do país nos Jogos do Rio 2016 e em uma Final da Taça do Mundo de Adestramento em 2017, em Omaha, Estados Unidos. Integrou a equipe medalha de bronze no Pan-americano de Toronto 2015, e de ouro no Campeonato Sul-americano (Odesur) do Chile em 2014, onde também foi ouro individual. Estreou nos Jogos Equestres Mundiais em 2014, na Normandia, França, apresentando o melhor resultado da equipe.

João Victor e Xiripiti TVF ; Rui Godinho

João Victor conquistou o Prêmio Brasil Olímpico promovido pelo Comitê Olímpico Brasileiro quatro anos consecutivos (de 2014 a 2017). Atleta militar desde 2015 (Sgtº Oliva) foi condecorado pelo Exército Brasileiro em 2017 com a Medalha do Mérito Desportivo Militar, a maior honraria concedida pelas Forças Armadas a atletas.

João Victor Oliva competiu pela primeira vez com Xiripiti TVF em fevereiro deste ano, e nos cinco CDIs que participou entre março e julho registrou índices, quatro deles em Portugal (Abrantes, em março; Alter do Chão, em abril; Companhia das Lezírias e Cascais, em maio; e no CDI4* Dressage Grand Ducal de Luxemburgo, em julho).

O Adestramento nos Jogos Equestres Mundiais

Serão quatro dias de competição com a realização de três provas: Grand Prix – dividido em dois dias -, Grand Prix Special e Grand Prix Freestyle.

Na quarta-feira, 12/09,acontece o Grand Prix válido como qualificativa individual e por equipe. Na quinta-feira, 13, o Grand Prix define o pódio por equipe. Na sexta-feira,14, o Grand Prix Special qualificativa para o pódio individual; e no domingo, 16, o Grand Prix Freestyle define o pódio individual.

O Júri

Definido pela Federação Equestre Internacional (FEI), o júri para o Adestramento conta com sete titulares, um reserva, um delegado técnico e um comissário chefe. Anne Gribbons, sueca de nascimento mas que representa os Estados Unidos, será a presidente do júri que contará com Mariette Sanders-Van Gansewinkel (Holanda), Andrew Gardner (Grã Bretanha), Katrina Wuest (Alemanha), Annette Fransen Iacobaeus (Suécia), Hans-Christian Matthiesen (Dinamarca) e Susan Hoevenaars (Austrália) . Thomas Lang, da Áustria, é o juiz reserva; a canadense Cara Whitham será a delegada técnica e Elisabeth Williams, dos Estados Unidos, a steward chefe. Outra americana, Elisabeth Williams, será a representante do Adestramento no Comitê de Recursos.

Sobre os Jogos Equestres Mundiais

Esta é a 8ª edição do evento, considerado a “Copa do Mundo” do cavalo. Os Jogos Equestres Mundiais (World Equestriam Games – WEG- na versão em inglês) serão realizados entre 11 e 23 de setembro no Tryon International Equestrian Center, em Mill Spring, Carolina do Norte, Estados Unidos.

Realizado a cada quatro anos, o evento reúne atletas de todos os continentes que competem nas oito modalidades que fazem parte da FEI: Adestramento (Dressage), Atrelagem, Concurso Completo de Equitação (CCE), Enduro, Paraequestre, Rédeas, Salto e Volteio. É feito um revezamento de países para sediar os Jogos, e esta é a segunda vez que acontece nos Estados Unidos: a primeira delas foi em 2010, quando a 6ª edição teve como palco Lexington, Kentucky, ocasião em que pela primeira vez o Adestramento do Brasil participou como equipe.

 

Com Imprensa CBH

carolaTime Brasil de Adestramento nos Jogos Equestres Mundiais tem três representantes da SHP